Coleção Africana

Composta, por objetos adquiridos na década de 70 (na maioria), pelo antropólogo e fotógrafo Pierre Verger, em missão de coleta para o Museu e doadas pelo Ministério das Relações Exteriores e diversas embaixadas dos países africanos. A maior parte da coleção é originária da África Ocidental, principalmente do Golfo do Benin, ligada aos grupos étnicos yorubá e fon. Existem alguns artefatos originários da África Central, da área do Congo – Angola e da África Oriental, de Uganda e Moçambique. 

Formada por esculturas, máscaras, tecidos, cerâmicas, adornos, trajes, instrumentos musicais, jogos e tapeçarias.A cultura material de origem africana está representada por objetos inspirados nas manifestações da África tradicional: são esculturas, máscaras, tecidos, cerâmicas, adornos, trajes, instrumentos musicais, jogos e tapeçarias, adquiridos na década de 70 pelo Ministério das Relações Exteriores ou doados ao museu através das diversas embaixadas dos países africanos. 

Coleção Instrumentos Musicais

Há uma grande diversidade de instrumentos musicais no continente africano quanto aos materiais utilizados ou às diferentes técnicas de construção e formas de tocar, e aos diversos sons produzidos. Está presente também em diversos ritos e celebrações das religiões afro-brasileiras, possuindo geralmente caráter sagrado.

Coleção Tecelagem

Na África tradicional, a tecelagem é atividade profissional realizada basicamente por homens, mas a produção da matéria prima (plantio e tratamento dos fios) é reservada às mulheres. Alguns trabalham de forma fixa, outros deslocam-se de aldeia em aldeia. Da produção de tecidos encontrados na África, destacam-se o pano-da-costa, o adirê e as tapeçarias ideográficas.

Máscaras

As máscaras africanas tradicionais são um dos elementos da grande arte africana que mais evidentemente influenciou a Europa e a arte ocidental em geral no século XX. 

Cerâmica

A cerâmica encontra-se entre as mais antigas atividades produtivas africanas, com a finalidade de suprir necessidades cotidianas de uso doméstico e rituais. Identificada como uma arte feminina, por ser normalmente exercida pelas mulheres, a cerâmica é moldada através da combinação de diversas técnicas de manipulação, sem que haja registro do uso de tornos. Seu tratamento decorativo é bastante variado, no que tange a relevo, brilho e cor.